Felicidade? Talvez…


Não sei de cor todas nas notas musicais, entendo pouco de muitas coisas e muito de poucas. Caminho rumo a um futuro que rabisco aos poucos, um amanhã semi pronto que me permite mudar de rota caso seja detectado que um retorno é necessário.


Fiz poucos inimigos, nenhum que eu considere digno de uma rixa. Gosto de gente e sempre que consigo, dou um jeito de fazer tudo ficar bem. 


Gosto do meu trabalho, desenvolvo coisas legais, meus clientes gostam e o público deles também. Funciona.
Gosto da segurança que posso ter com relação a mim mesmo. Tão logo meu relacionamento afetivo com minha parceira é pautado na segurança que ambos têm em si. No propósito e no compromisso de ser, um para o outro, fonte de afeto, compreensão, tesão e sorrisos muitos. Um estresse ou outro, de vez enquanto faz parte, pq não?

Minha família é pequena, nos vemos pouco e já faz muito tempo que não sou acionado por uma urgência, seja do lado de cá, seja do lado de lá. Nos damos bem à distância. 

Meus sonhos se realizam e se renovam, como alguém que completa ciclos. Minha psicóloga é grande responsável por este momento, juntamente com os amigos que a vida me deu e tenho preservado.

Os projetos sociais funcionam por si só. Já que sua base é o desejo coletivo de seus participantes de ver dar certo. Que Deus continue ajudando. 

Por hora e sem mais para o momento! 

Tony Lopes - Designer, ativista, amante da natureza, ouve rap compulsivamente, viciado em séries e tranquilidade.
admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *