Já ouviu falar em Empreendedorismo Social?

Empreendedorismo social é um termo que indica um negócio lucrativo que ao mesmo tempo traz desenvolvimento para a sociedade.

As empresas sociais, diferentes das ONGs ou de empresas comuns, utilizam mecanismos de mercado para, por meio da sua atividade principal, buscar soluções para problemas sociais.

Os negócios sociais integram a lógica dos diferentes setores econômicos e oferecem produtos e serviços de qualidade à população excluída do mercado tradicional, ajudando a combater a pobreza e diminuir a desigualdade.

Inclusão social, geração de renda e qualidade de vida são os objetivos principais dos negócios sociais.

A utilização de presidiários em setores como a construção civil é um bom exemplo de Empreendedorismo Social.

Você sabia que as ONG´s são empreendedoras do Terceiro Setor?
Muitos projetos do terceiro setor, como as ONGs, criam produtos tangíveis: camisetas, bonés, mochilas etc. Porém, o preço desses produtos é difícil de ser definido.

Segundo Manzione (2006), os preços são definidos pelos custos e conforme o orçamento, sendo assim o elemento mais fácil de ser mudado pela empresa.

No terceiro setor esta concepção é considerada custo previsto em forma de orçamento, que tem como base as despesas para atingir objetivos estabelecidos.

O lucro deste tipo de setor está muitas vezes mais relacionado à necessidade e ao valor percebido pelo consumidor do que à promoção da marca.

A ONG Quatro Patinhas é um bom exemplo de projeto do terceiro setor, que atua na proteção dos animais abandonados, abrigando-os e promovendo as adoções.

A associação investe também na educação da população, divulgando a legislação de direito dos animais e o conceito de guarda responsável.

Produtos vendidos através da Lojinha virtual          ajudam a manter os animais resgatados de situações de maus tratos e abandono que ainda aguardam um lar.

O Empreendedorismo pode ser trabalhado ainda na infância…

As crianças do projeto Recicleta, por exemplo, aprendem noções de empreendedorismo na reutilização de peças de bicicletas inutilizáveis.

Elas fazem varreduras em lojas especializadas e em residências que contatam o projeto indicando possuir uma bicicleta fora de uso ou com defeitos, captam os produtos oferecidos e os transformam em novas bicicletas que serão doadas às comunidades carentes.

Essa ação, além de ajudar na preservação do meio ambiente, ajuda no desenvolvimento de crianças, através de noções de empreendedorismo.

 

Fonte: Universidade Estácio 

Tony Lopes - Designer, ativista, amante da natureza, ouve rap compulsivamente, viciado em séries e tranquilidade.
Tony Lopes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *