Mercado Público de Floripa – Clichês são necessários.

Toda capital tem um mercado público, que tem comidas típicas e, consequentemente, roupas, temperos e souvenirs. De praxe. 

Administração criativa é assim, vende espaço nas mesas e promove uma cerveja. Estão de parabéns.

Em uma galeria, não muito grande, mesas em formato e linguagem visual remetendo à cerveja do momento (que banca), na parte interna, restaurantes participam do Festival  da Tainha, com pratos diversos, contendo a iguaria e um sambinha rolando em um deles. 

Já na parte externa lojas de roupa e sapatos são maioria massacrante. Enquanto em alguns corredores podemos ter acesso a exposição de arte contemporânea e mais lojinhas “fofas”. 

Titulo: Público Alvo – Artista: Diego de Los Campos – Técnica: Arte Digital

Mais obras do artista aqui

Um passeio gratuito, com pequenos tesouros no caminho, cheiros, sons e expressões que só encontramos em Floripa. 

De rolê 🙂

Consegui comprar uma caneca e 100 gramas de amendoim a granel. 

Túnel que liga a parte sul da ilha ao centro. Hoje fez sol 🙂

As cidades do amanhã – Por João Doria

João Doria - Empresário e Jornalista.

João Doria – Empresário e Jornalista.

Em meio a intensos embates e mudanças na esfera político-econômica que o país atravessa, a pauta da sustentabilidade é preterida à sombra dos temas urgentes de nossa sociedade. O que é uma injustiça. A construção de um meio ambiente mais saudável tem que fazer parte da agenda prioritária das gestões públicas, de empresas e da vida do cidadão. Tata-se de um compromisso com a cidadania e postura de responsabilidade com as futuras gerações.

São Paulo é um exemplo deste quadro. Em nome do progresso e de sua grandeza, da pressa de manter a hegemonia na ponta de lança do enriquecimento nacional, a metrópole cresceu demais. E hoje padece das mazelas das megametrópoles: áreas verdes sufocadas, envenenamento do ar e dos rios, impermeabilização do solo, incremento de construções em morros e áreas degradadas, invasão de mananciais e povoamento de espaços sem o mínimo de condições para garantir a sobrevivência decente às populações carentes.

A pergunta recorrente continua sendo um desafio aos administradores: É tarde para reverter uma longa historia de descuidos e irresponsabilidade para com o meio ambiente da maior metrópole brasileira? É evidente que não. Basta seguir os melhores exemplos de grandes cidades mundiais, como Frankfurt, Londres e Copenhagen, que harmonizaram o crescimento econômico, sempre sob a análise dos impactos ambientais que as ações administrativas provocam.

Vale reconhecer: São Paulo é o primeiro município brasileiro a aparecer no ranking Índice de Cidades Sustentáveis, da consultoria Arcadis, que classifica as cidades em 20 indicadores de cinco área-chave: economia, negócios, risco, infraestrutura e finanças. Ocupa a 31ª posição. Mas ainda temos um bom caminho para conquistar um posto entre as 10 metrópoles mais sustentáveis do planeta. É onde devemos estar.

Falta a São Paulo e às demais grandes cidades brasileiras colocar a sustentabilidade na agenda de prioridades de forma efetiva. É fundamental hoje, para qualquer gestão pública, ter um olhar que vise aliar o bem-estar da população com uso inteligente e racional de seus recursos naturais.

Também falta educar. Fomentar a produção cultural com vistas à sensibilização de massa e ampliação da consciência ambiental. E ter a infância e a juventude inseridas neste contexto. São elas que irão colher frutos ou as pedras das ações atuais.

Multiplicar os programas de incentivo à adoção de comportamentos mais colaborativos na utilização dos resíduos sólido, especialmente pela aplicação do conceito 5R (Repensar, Recusar, Reduzir, Reutilizar e Reciclar); manter atualizados os mapeamentos de áreas de risco; ampliar as políticas de proteção sócio-ambiental das famílias em áreas verdes destinadas ao lazer e bem-estar da população com a criação de parques, praças e projetos de recuperação de margens de rios – são alguns dos pontos que gestores devem perseguir ao atuar pelo bem comum.

Sabemos que as cidades gigantes não podem sonhar com a qualidade de vida de cidades menores. Mas i importante é perseverar e educar. Não há outra maneira de garantir cidades e um país mais saudáveis para as próximas gerações.

Texto de João Doria para a Forbes – Edição 42 – Junho de 2016

Floripa, sua linda e saborosa. Dica gastronômica.

Books and beers – Barzinho charmoso com preços justos e menu delícia.


Viajar já é ótimo pelo simples motivo de nos tirar da rotina. Mas acertar o destino que caiba no bolso e no bom gosto é maravilhoso. 

Vim tirar alguns dias de descanso com a preta em Florianópolis, ilha da magia. O roteiro veio de dicas de amigos e, já no primeiro dia ne surpreendi com a primeira dica: Books And Beers, local que mescla literatura e gastronomia contemporânea, além de uma vista para o ancoradouro da Lagoa da Conceição. 

Cardápio carrega a temática.


Pra ficar ainda mais perfeito, o preço, em comparação com Brasília é bem maroto, mas nem tanto :). Porém vale muito a pena. 

Pra comer: Mini amburguer de Salmão e Picanha. 

Para beber, cervejas de vários países com preço de acordo com seu paladar.

Saúde! 

Kick-off para o World Water Forum – Day 2 – Invasões sindicais à parte, estamos afim!

 No segundo dia de atividades do Kick-off para o World Water Forum, continuamos com os trabalhos em grupo, escolhi o tema sustentabilidade e me integrei a um grupo bastante eclético, geograficamente falando. Juntos construímos parte do plano que irá compor o Fórum Mundial da Água em 2018.

Ainda encontei pessoas queridas 🙂


No período da tarde voltamos para o plenário e tivemos um momento de apresentação das comissões temáticas onde cada uma das quatro comissões tiveram 10 minutos para falar. Maria Silvia Rossi, Secretaria de Meio Ambiente, compartilhou nossa discussão dos 11 grupos de trabalho feita pela manhã.

Itens para a composição do plano de sustentabilidade a ser debatido no Forum Mundial da Água


“A sustentabilidade é um processo a ser construído e não tem uma única definição determinística”. Maria Silvia

Foi levantado por uma maioria arrebatadora e endoçado Maria Silvia, a necessidade de um pós evento, onde possamos dar continuidade daquilo que começamos a construir. Precisamos instituir um fórum forte e absorvido de forma integral por seus participantes.

foto: Yorrana Moraes

Consegui perguntar o que seria possível fazer para tornar mais comum a temática água para as pessoas comuns. Disseram que darão um jeito nisso. Espero fazer parte desse processo de construção de linguagem para esta temática para famílias de baixa renda. Pois, meio ambiente no Brasil é assunto para rico, além elitista e prolixo. O povo não tem paciência para ladainha. 

Fundação Mais Cerrado, Caixa Exonômica e World Water Council , juntos !


Pra encerrar o segundo dia, um delicioso coffe break, onde concedi uma entrevista para a Rádio Cultura e uma ultima foto com o pessoal esse pessoal  da pesada. 

Manifestantes invadem o Kick-off Meeting:

Como se deu tal estrago? Ausencia de dialogo , diplomacia e demais fatores que levam o caos para dentro de eventos que tem como background a paz.


Um episódio à parte conseguiu movimentar  o evento de forma interessante. 

Manifestantes do sindicato dos funcionários da Caesb, invadiram o plenário em busca de um ouvido para suas solicitações. Fizeram algum barulho e voltaram As 16:30, vieram, fizeram sua fala, onde apresentaram o manifesto por um saneamento básico público (há rumores que pretendem privatizar a caesb há tempos), além de reinvidicarem os reajustes salariais para a categoria. Foram com Deus.

Sobre liderança, só um adendo:

Vivemos realmente um problema de liderança sem precedentes.

TL

 

 

Nosso Drops…

  1. Quem ama, peida abraçado.
  2. Onde esinam que ao ser bem-sucedido você deve viver reclamando da vida?
  3. Juscelino devia tá muito louco quando fez Brasília. Essa cidade é linda demais.
  4. Meus problemas, seus problemas, nossos problemas e os problemas do mundo. Tem espaço para todos. Vamos!
  5. Não vejo a hora de proibirem o uso do Kama Sutra. Vocês são demais.
  6. Não é a escolha errada que nos leva ao fracasso, mas a inércia diante de uma.
  7. Eu não tenho mais idade para comparar tamanhos de órgãos genitais. Estou satisfeito com o meu. Sério. 
  8. Projeto, Conceito, Avaliação, Execução e Aprovação. A fórmula para um projeto bem-sucedido. 
  9. Quanto você acha que vale sua sanidade? 
  10. Minhas melhores escolhas foram feitas sob conselho de pessoas que nem imaginam o bem que me fizeram. Amo pessoas de bom senso.

Kick-off Meeting – 8º World Water Forum Day 1

Ju Pinto (Sema), Tony Lopes (#ocupeolago) e Yohanna (Mais Cerrado)

Ju Pinto (Sema), Tony Lopes (#ocupeolago) e Yorrana (Mais Cerrado)

Realizado pelo World Water Council, Adasa, Governo de Brasília e Governo Federal, o Kick-Off Meeting,é um encontro de 3 dias para apresentar e preparar as instituições para o 8º World Water Forum que acontecerá em 2018 e será sediado em Brasília.

Muito bom encontrar parceiros de projetos como Lucas, Adm. Lago Norte

O Governador, em seu discurso de abertura, nos alertou para uma realidade: “De agora em diante, Brasília é a Capital Mundial da Água”.


Paulo Sallles, presidente da Adasa, trouxe uma palavra de conforto e tranquilidade para os participantes. Deixando claro que o Forum quer abraçar os paises latinos e africanos em nossas discussões durante o Evento. “A água deve estar no topo das questões voltadas para as politicas publicas”, disse.

Após as falas do plenário, iniciamos os trabalhos em grupos, cada um com um tema e cada tema sendo construídos pelos particpamtes do mundo inteiro.

Gabriela Batista (Sema) e Marcelo Ottoni (#ocupeolago)

Eu, particularmente, estou dando minha contribuição,representando os 3 movimentos em que participo de forma ativa, #ocupeolago, #ocuperiodoce e Virada do Cerrado. E, de bate pronto, posso dizer apenas uma coisa: Vai ser o fórum mais eficiente que já fizeram. Brasília está pronta! Vamos.
Saiba mais aqui!

 

Francisco fala aos jornalistas durante vôo de volta à Itália – foto: Divulgação (Arquivo


Em entrevista concedida para jornalista em sua volta da Armênia para Roma, no domingo (26), o papa Francisco admitiu que a Igreja Católica deve um pedido de perdão a homossexuais e mulheres pela forma como foram tratados ao longo da história.

Em uma conversa espontânea, Francisco foi questionado sobre os comentários de um cardeal alemão sobre o tema, ainda mais urgente após o atentado que matou 49 homossexuais em uma boate na cidade de Orlando.
Segundo agências internacionais, o papa garantiu que os ensinamentos da Igreja são de que os homossexuais não devem ser discriminados. “Eles devem ser respeitados, acompanhados pastoralmente.”
Ele aproveitou para lembrar da relação da instituição com as mulheres: “Acho que a Igreja não deve apenas pedir desculpas (…) a uma pessoa gay a quem ofendeu, mas também deve pedir desculpas aos pobres, bem como às mulheres que foram exploradas, às crianças que foram exploradas por trabalho (forçado). Deve pedir desculpas por ter abençoado tantas armas”.

Fonte: Brasileiros

Eh Noiz!!! Festival 2016 – A ata.

Nomes importantes da cena hiphop brasileira subiram ao palco do Eh Noiz!!! Festival 2016. Uma junção bem sucedida entre Headline e Qu4tro Produções proporcionou ao brasiliense uma noite de muito rap e diversão a toda prova, marca registrada das produtoras.

 

Com show aberto por DNA, Rafael Pereira e Besouro Bass (alguns membros da Banca Alto Kalibre). As 12 horas de rap trouxeram de volta à “terrinha”, nossa querida Flora Matos, pessoa do bem que enaltece nossa capital e atua pesado na cena nacional.  Do Rio de Janeiro vieram 3030 e Cacife Clandestino. Do Estado de São Paulo, Síntese e, pra deixar mais que brutal, Tribo da Periferia e membros da banca Kamikaze.

A pista ficou com lendários como DJ Torch (Candicrush), Hugo Drop (DropIikeItsHot). Tudo isso conduzido pelo Mestre de Cerimônia Ahoto (Headline). Esse parágrafo é dedicado a esta banca que consegue sincronia e êxito e simplesmente “param Brasília” a lá drop, Hugo.

Foi mal, subi no palco e fotografei o Phelps 22, desculpem, não sabia que não podia, o segurança deles chegou pesado, pedi desculpa e desci, mas a foto tá na mão. Gosto do som do irmãozin.

Aproveitei o retorno da Newgang à projetos no underground pra fazer a cobertura instantânea (de qualidade) mais rápida da internet brasileira. Foi divertido, Igor Almeida. Rá!

Fizemos um puta álbum que você pode ver aqui. Além de colher ajuda com os manos para o projeto da Besouro Bass, Ritmo Poesia e Preservação. 

Seguimos ansiosos já pela segunda edição. Parabéns aos envolvidos.

Natinho abre seu Mercadinho e, mais uma vez, transborda criatividade libertária


Conhecido na cena underground, Natinho é parte integrante imprescindível do DNA da cultura brasiliense (sim, temos uma). No ramo de camisetas alternativas, é figura marcante e metamórfica, sempre criando espantos estéticos, paródias e sensações mil com seus silks. Quem conhece o Conic sabe do que estou falando.

Enquanto os meninos sonham com o vale do silício e o aplicativo que os deixará bilionários da noite pro dia, Natinho, já cauterizado, transmite a paciência e a sabedoria de quem conhece o mercado. “Prefiro me manter caseiro, dentro do meu espaço de atuação”, diz. 

Hoje tive a oportunidade de fazer uma visita e (o que acontece sempre) constatar o que torna este pioneiro no ramo das camisetas “transadas” um mito, esse cara tem alma, sentimento e verdadeira paixão pelo que faz.


Parabéns, Natinho. Sucesso  e vida longa ao seu mercadinho. 

Para quem ainda não conhece, o Mercadonho do Natinho fica no Conic, ao lado do Teatro Dulcina, vale a pena conhecer. 

O que nos difere do resto do mundo 


Ser brasileiro é sinônimo de muito orgulho, sim. Somos amáveis, dóceis, quase passíveis de adestramento. Aceitamos na boa impostos sem propósito, taxas e mais tributos que mantém uma máquina obesa e obsoleta que insistimos em chamar de Estado. Somos do bem.

Temos tanta bondade em nossos corações que os maus, logo nos dominam, governam e agem sobre nossas vidas como se tivéssemos algum retardo mental. Cuidam muito bem de nós. Nossos imperadores do poder supremo.

Não precisamos entender de política. Acreditamos cegamente em todos os programas do Estado. Sim, porque iríamos viver diferente? Eles são catedráticos na arte de gerar burocracia. Amamos filas.

Somos vacinados contra a subjetividade. Não precisamos de projetos envolvendo terapias e profissionais da mente. Se nos derem um meio de espantar a fome, tá ótimo. Depressão é frescura.

Discutir a legalização do aborto? Hum…não lidamos com religião, somos laicos e leigos. É nesse mar de ignorância navegamos felizes. Saiam daqui libertários de merda.

Obrigações e direitos de cidadão? Ah, parem. Isso é tão desnecessário quanto investimento em educação. Essa coisa de tecnologia ao alcance de todos é desperdício de verba pública. Ninguém come livro.

Não nos comparem. Temos as melhores bundas e nossos maiores artistas sabem que preferimos Lepo Lepo a semitons de Bossa Nova. Os gringos que comam desse lixo.

Gostamos de muvuca e barulho. Batemos penetras e não temos vergonha. Contra o que lutamos? Contra o que a Globo nos ensinar a pensar que talvez seja o certo a fazer. Sim, temos opinões divididas, pois quem não está com a Globo está com outro bicho marketeiro disfarçado de “sou cool e o modelo de governo norueguês é demais”.

Pavillion of Reflections

 

 foto: Träger Wolfgang

Totalmente construído em madeira, o Pavilhão das reflexões conta com piscina interna, área de lazer e convivência, além de um cinema para exibição de filmes à noite, durante o evento que terá duração de 100 dias.

“Pavillon of refletions’foi projetado e construído pelo estúdio tom emerson , ETH Zurich , especialmente para manifes. Bienal Europeia voltada para arquitetura, design e debate sobre meio ambiente e tecnologias sustentáveis, que este ano, está em Zurich do dia 11 de junho até o dia 18 de setembro de 2016.

Nós, do #ocupeolago, já estamos em contato para ver qual a possibilidade de trazer tal estrutura para o Dia Mundial da Água 2017. Vai ser demais!

 

T
L

‘Meu pai me injetou HIV quando eu era bebê’

Jackson diz que religião fez com que perdoasse o pai, mas que não quer encontrá-lo

Jackson diz que religião fez com que perdoasse o pai, mas que não quer encontrá-lo

Febre alta, fígado inchado e fungos debaixo das unhas. O quadro clínico da criança de cinco anos, internada em um hospital de St. Louis, nos EUA, sugeria que ela corria seríssimo risco de vida. Foi praticamente no desespero que os médicos fizeram um exame de sangue mais detalhado.

E descobriram que Brryan Jackson tinha HIV. Uma tragédia pessoal que ganhou contornos ainda maiores porque a criança tinha sido deliberadamente infectada, ainda bebê, por seu próprio pai – um técnico em hematologia que estava se separando da mãe de Brryan e estava preocupado com o pagamento de pensão.

Discriminação

“Minha mãe tinha um filho de um relacionamento anterior quando conheceu meu pai e ambos decidiram ter uma nova criança. Mas quando ele voltou da Primeira Guerra do Golfo (em 1991, quando serviu como soldado), suas atitudes em relação a mim tinham mudando completamente. Ele começou a dizer que eu não era seu filho”, contou Jackson, em entrevista de rádio ao programa “Outlook”, do Serviço Mundial da BBC.

Jackson tinha 11 meses quando, durante uma internação hospitalar por causa de uma asma, o pai, Brian Stewart, aproveitou uma saída da mãe do quarto para injetar o vírus na corrente sanguínea do filho. Sequer usou o mesmo tipo de sangue do bebê, o que provocou uma reação imediata no organismo, ainda assim atribuída pelos médicos aos efeitos da asma.

Isso só foi descoberto anos depois, após uma investigação policial. O pai trabalhava em um hospital em St. Louis, tirando sangue de pacientes para exames. Ele tinha, portanto, acesso a amostras sanguíneas infectadas.

Segundo as investigações, naquela visita ao filho no hospital, ele vestia justamente seu jaleco branco do trabalho, onde acredita-se que tenha guardado a agulha infectada.

A mãe de Brryan Jackson se lembra de ter visto, no hospital, o pai segurando a criança, que estava aos prantos.

Mais tarde, a mãe citou uma briga que teve com Stewart sobre pagamento de pensão ao menino, quando este ainda era pequeno. “Quando eu deixar você, será definitivo, e não deixo ponto sem nó”, disse na ocasião Stewart, segundo a descrição de documentos do processo judicial. “E você não poderá pedir pensão, porque seu filho não vai viver muito. Eu sei que ele não vai passar dos cinco anos de idade.”

Os documentos incluídos no processo judicial afirmam ainda que Stewart costumava levar torniquetes, amostras de sangue e seringas para casa – e dizia a conhecidos que tinha o poder de destruir a vida das pessoas se elas “mexessem com ele”.

A defesa de Stewart argumentou que a criança poderia ter sido infectada de diversas outras formas, mas não foram encontradas provas que sustentassem essa teoria.

Quando finalmente descobriu-se o que afetava o menino, os médicos deram a Jackson apenas cinco meses de vida. Eles temiam não apenas os efeitos da doença, mas do coquetel de remédios que ele precisava tomar para tentar mantê-la sob controle.

Jackson percorrem os EUA como palestrante motivacional

Jackson percorrem os EUA como palestrante motivacional

Hoje, aos 25 anos, ele não apenas tem a doença sob controle como se transformou em palestrante motivacional e criou uma ONG, a Living With Hope (Vivendo com Esperança), para promover maior compreensão sobre a doença e estimular mais solidariedade com portadores do vírus. Algo ainda mais impressionante quando se leva em conta que o tratamento deixou algumas sequelas – sua audição foi severamente afetada e prejudicou sua fala.

Solidariedade foi um sentimento que ele, Jackson, não encontrou muitas vezes ao longo de sua vida. Sua mãe enfrentou diretores de escola que não queriam o filho frequentando os estabelecimentos. Quando enfim era aceito em uma, o menino não tinha permissão para usar o bebedouro ou mais de um banheiro.

Paternidade

“Eu também não era convidado para festas de aniversário. As outras crianças me insultavam. Mas essa era a realidade do HIV nos Estados Unidos nos anos 90. Havia muita desinformação. Comecei a achar que não havia mais espaço para mim neste mundo”, lembra.

Jackson cogitou o suicídio, mas optou pela religião. A conversão ao cristianismo fez com que decidisse perdoar o pai – Brian Stewart foi condenado à prisão perpétua em 1998. Em entrevistas à mídia americana, disse rezar pelo pai. No entanto, adotou uma grafia pouco usual para seu nome justamente para diferenciar-se do pai e evitar o assédio da imprensa.

“No começo, senti muita raiva dele. Cresci vendo filmes em que pais eram maravilhosos para seus filhos e não conseguia entender como o meu tinha feito aquilo comigo. Ele não apenas tentou me matar, mas mudou minha vida para sempre. Mas quero viver a minha vida.”

Segundo Jackson, sua rotina médica hoje já não envolve mais andar com sondas pelo corpo, como nos tempos de escola. As 23 pílulas diárias hoje são apenas uma, embora de três em três meses ele precise ir ao médico para checar seu sistema imunológico. A doença, obviamente, afetou sua vida social. Diversos relacionamentos foram interrompidos por pais receosos.

Mas Brryan ainda sonha ser pai. Cita a técnica conhecida como “lavagem de esperma”, que separa os espermatozoides do fluido seminal e permite que pais soropositivos tenham filhos sem infectar as parceiras. A inseminação é artificial.

“Acho que seria um pai cool. Mas pais cool podem ser embaraçosos”, brinca

Fonte: BBC

Leita também na BBC – Estamos vencendo o HIV?

Cuide dos seus sonhos: O melhor de todos os conselhos que não ouvi

foto_ocupeolago

O dia em que desafiei jovens a pular amarelinha. 2014, eu acho! Foto de Roberto Araújo

Há hoje no mundo várias 10 maneiras de fazer 100 vezes a mesma coisa, transformar em um hábito e seguir acreditando naquilo, seja lá o que aquilo for. E nada disso está errado. Nem certo. Quem sou eu para julgar o que é certo ou errado no mundo atual? Isso mesmo, ninguém.

São tantos conselhos de como ser alguém melhor, frases decoradas aos milhões. Sem problemas também. Tolero.

Agora, de tudo que tenho visto ao longo dos meus poucos trinta e seis anos é uma série de conselhos que não ouvi e dentre eles, o melhor conselho que percebi que não me deram: Cuide dos seus sonhos!

Vivemos tempos difíceis e sonhar é artigo de luxo. Desejar um amanhã melhor com a leveza de uma criança que se sente protegida pelas armaduras que a vida lhe deu. Disso ninguém me aconselhou.

Ninguém me disse que bastava acreditar e seguir a frequência. Demorei tanto para entender os mecanismos da fé. Foram tantos desencontros comigo mesmo. Tanta fagulha virando incêndio e tantos problemas necessários. Não digo que viveria novamente todas as dores, porque não acredito que alguém goste de dor, mas sei da sua valia para que, através delas, eu me tornasse apto a entender que sonhar não é para uns poucos e que posso me incluir com folga, no grupo dos que acreditam, planejam, executam e celebram (dragon dreaming pro google).

Não trata-se de sempre ganhar. Perder faz parte, como um acidente, não como um plano.

Se já perdi?

Houveram dias em que perdi tudo, dos bens materiais a dignidade. Foram dias difíceis. E o que mais me conforta é que em meio ao odor de tudo que me cercava, eu conseguia me ver escrevendo minha história, sem precisar apagar uma página sequer. E mais, poderia tornar os meus sonhos e os de quem mais sonhar, realidades.

Por fim, se você não sonha e, o mais importante, não cuida do seu sonho, ele se torna frustração. Não importa o que digam, nem quantos baldes de água fria você vai receber na cara, tão pouco as caras e bocas dos incrédulos. Vai com tudo!

Com votos de um mundo onde todos possam sonhar e realizar.

T
L

 

 

Besouro Bass lança crowdfounding para gravação de Video Clipe na Chapada dos Veadeiros – Rap DF

BesouroBass-5

Fazer rap é até fácil, diriam alguns. Agora fazer do rap uma forma de levar consciência, já são outros quinhentos. É assim que nasce o projeto Ritmo, Poesia e Preservação, do grupo de rap brasiliense Besouro Bass.

Reunião de alinhamentos

Ao clicar em qualquer foto você poderá conhecer o projeto e ajudar. A ideia é bem simples, com um roteiro complexo e necessita de uma ‘mãozinha’ para acontecer e é ai que entro, juntamente com o Movimento #ocupeolago, New Gang e outras instituições que estamos confirmando.

Se você tem um afeto pela chapada, curte um rap/trap, sugiro que conheça a proposta do vídeo clipe e ajude este sonho a se tornar realidade.

BesouroBass-2

BesouroBass-4

marquinho6

mesadereuniao

Fotos: Igor Almeida/New Gang

 

 

 

 

Campanha online reúne reações irônicas de mulheres a cantadas

Embora hashtag #NenhumaMulherDiz não seja nova, ela foi utilizada mais de 140.000 vezes no últimos dias.

As mulheres estão usando a hashtag #NoWomanEver (#NenhumaMulherDiz, em tradução livre) para falar com ironia de experiências não tão engraçadas com assobios, comentários sexuais de desconhecidos e outros assédios na rua.
Embora a hashtag não seja nova, ela foi utilizada mais de 140.000 vezes no últimos dias depois que o perfil americano no Twitter Miss Black Awareness (Miss Consciência Negra) a reviveu para aplaudir sarcasticamente as ações de um homem cujos avanços indesejados a usuária disse ter sofrido.

Ela postou uma série de tweets usando a hashtag, como: “Ele andou aleatoriamente ao meu lado na rua por 5 minutos inteiros. Eu admirei sua tenacidade e sabia que ele era o homem para mim #NenhumaMulherDiz” ou “Eu estava na minha pausa para o almoço, e ele disse ‘Oooh, eu aposto que você é muuuuito mais deliciosa do que essa salada’, então eu dei a ele meu número #NenhumaMulherDiz”.

O bastão foi logo passado para muitas outras usuárias, que usaram a hashtag para contar como foram tratadas por homens.
“Eu não estava atraída por ele. Eu educadamente recusei o número dele. Mas quando ele me seguiu quando eu sai do ônibus? 🙂 🙂 🙂 #NenhumaMulherDiz”, uma usuária twittou.

“Quando ele puxou o meu fone de ouvido por não ter respondido? Meu coração derreteu #NenhumaMulherDiz”, disse outra.
Todos os tipos de histórias chegavam de mulheres que não estavam contentes com a forma como elas poderiam ser tratadas na rua.

Curiosamente, os tweets não passaram despercebidos a alguns homens, que se disseram horrorizados com tais práticas e pediram mais respeito às mulheres.

A hasghtag não representa a primeira vez que uma mídia social é usada para reagir a assédios na rua. Um vídeo do YouTube que mostrou a atenção indesejada que uma mulher recebeu andando por Nova York foi visto mais de 40 milhões de vezes. E no Brasil as mulheres e meninas usaram a hashtag “#primeiroassedio” para falar sobre as suas experiências.

Fonte: G1

Parabéns Dercy Gonçalves – Se estivesse viva, faria 109 anos!

doodle-google-dercy-goncalves

O doodle da página incial brasileira do Google faz uma homenagem, nesta quinta-feira (23), à atriz e humorista Dercy Gonçalves. A data marca 109º aniversário do nascimento da artista, que morreu aos 101 anos em 2008.

Dercy nasceu no Rio em 23 de junho de 1907. Ainda jovem, ela desafiou padrões da época ao fugir de casa aos 17 anos atrás de uma companhia de teatro. Começou a carreira cantando, mas depois teve problemas com a voz.

Ela trocou seu nome de batismo, Dolores Gonçalves Costa, para tornar-se Dercy Gonçalves, uma atriz da época do teatro rebolado e das chanchadas. Dercy também passou pela TVe foi uma das primeiras contratadas da TV Globo, onde estrelou os dois primeiros programas de sucesso da emissora no horário nobre.

Conhecida pela irreverência e pelos palavrões, ficou marcada por papéis como o da mão da rainha na novela “Que rei sou eu?” (1989). No cinema, foram mais de 30 filmes.

Outro momento marcante de sua carreira foi em 1991, quando sofreu um acidente de carro e quebrou a bacia. Tinha 84 anos e, ainda se recuperando, desfilou no Carnaval do Rio com os seios à mostra. Ela era a homenageada no enredo da Unidos da Viradouro (em 2004, voltou a ser destaque, dessa vez no carro da Salgueiro).

Fonte: G1

 

Chef Manoel Rodrigues – Santé 13

Chef Manoel Rodrigues

Na linha de frente, chefiando a equipe das caçarolas no Santé 13, está Manoel Rodrigues. Pessoa de temperamento forte, dedica-se com afinco para atender as demandas de um cardápio internacional e, além de criar pratos incríveis, precisa constantemente atualizar seus conhecimentos da cozinha mundo a fora.

Filé mignon em crosta de pães especiais. Acompanha risoto de alho poró, chips de inhame e molho de cramberry.

Nos próximos dias iniciam-se os trabalhos com o novo menu executivo e, mais uma vez, Manoel nos deixará com água na boca. As fotos que serão postadas nas redes sociais do Santé 13, serão o retrato ‘real’ do que os clientes irão se deliciar nos próximos meses.

Para Manoel, o sentimento chega antes do sabor. Segundo ele, ‘um bom chef deve sentir cada nota de cada ingrediente e, ao voltar desta viagem, compor o prato que deixará o cliente satisfeito, saciado e, sentindo-se especial’.

Parabéns, Manoel. Você faz toda diferença.