Category: Dicas

Respeito

Respeito é uma palavra de origem latina, respectus, que significa “olhar outra vez” ou, em outras palavras, algo que merece ser olhado. Há inclusive um cumprimento de origem africana, sawabona, que significa “eu vejo você”, ou “eu te respeito” ou “eu te valorizo”. E a resposta é shikoba, que significa “então eu existo para você”. Essa é a essência da habilidade social, perceber o outro, enxergar o outro, não permitir que ninguém seja invisível.

Já digo não, sei meus limites e estou aprendendo a fazer escolhas

Acabo de ler este texto, no Fast&Co, sobre o botão ‘delete’ contido em nossos cérebros. E, pra minha surpresa, o segredo de eliminar e/ou fixar determinadas informações (aprender/desaprender) consiste em dormir bem. Pois, segundo pesquisadores, as sinapses que fazem o trânsito dos neurotransmissores trabalham nesse espaço de descanso. Inclusive naquela sonequinha de 10/20 minutos após o almoço.

Durante minha caminhada nessa vida de ‘freelancer’, já me vi sob pressão para entregar em 24h trabalhos que eu precisaria de 1 semana para fazer, assim como projetos feitos em 2 dias, quando precisava de 1 mês. Na maioria das situações consegui me sair bem, entregando com êxito os trabalhos e, o melhor, sem dar na cara que ralei sem dormir por horas a fio. Mas eu sabia que ao final, minha capacidade de criar, dialogar e transmitir ideias estava abalada e esgotada. O mesmo sinto quando estou incomodado com uma situação ‘x’ou ‘y’. Pensamentos repetitivos se acumulam em volta de um tema e, não adianta jogar água fria na cara, não consigo sair do lugar, girando em torno do assunto até estafar.

A jornada deve ser seguida em coerência

Fazer escolhas. Quase nunca é fácil. (Foto: Internet)
Fazer escolhas. Quase nunca é fácil. (Foto: Internet)

Há alguns anos atuo de forma efetiva em projetos sociais, voltados para o meio ambiente, sustentabilidade e cultura. Por muitas vezes me vi fazendo para além das minhas forças, buscando o melhor resultado, sem obtê-lo por um motivo simples: Falta de autoconhecimento. Pois se soubesse dos meus limites à época, teria reduzido o desgaste em muito, além de ter aberto oportunidade para outros `voluntários` fazerem sua parte. É o que de algum tempo pra cá resolvi chamar de `liderança torta`.

Tenho descoberto, aos poucos e a duras penas, que trabalho voluntário não precisa ser sofrido, doloroso e/ou desestimulante. Meu ego e vontade de ver dando certo não pode, nem deve, em momento algum, interferir no bom andamento das atividades de um todo. Assim como descobri que todos ganham quando assumem, cada qual seu papel, o cumprem e, ao final, celebram. Precisamos seguir em coerência com nossos sentimentos e nossas capacidades. Deixando assim tempo para família, trabalho e o cuidado com a alma.

Ninguém é de ferro

Por mais que clichê que seja, e é, a máxima de que não temos super-poderes e de que não estamos acima de nossas capacidades físicas, psicológicas e motoras, deve guiar nossa caminhada rumo ao equilíbrio de nossas aptidões, paixões, projetos e ambições.

Não trata-se apenas de uma desculpa para errar, mas uma justificativa para, com direito, se sentir cansado e, nesse momento, descansar. Abrir mão da capa e buscar o aconchego do lar, a canja de galinha ou aquela série favorita que você assiste para sair um pouco da realidade.

Algo aprendido uma vez, nem sempre torna-se um hábito, mas deveria

Então, aprendi, já sei. Pronto?

Não! Quem dera fosse simples assim.

Já digo não, sei meus limites e estou aprendendo a fazer escolhas

O próprio aprendizado requer treino e muitas recusas. Pois podemos saber que o corpo chegou no limite e mesmo assim ainda aceitar novas tarefas em prol de um projeto. Podemos saber que nossas forças estão fracas e, ainda assim, topar um novo desafio. Como é difícil dizer não! Mas não é impossível.

Tenho treinado me habituar a dizer desculpe, mas não posso. Tem funcionado. Mas não pense que trata-se de uma tarefa fácil e que do dia pra noite você conseguirá levar uma vida com qualidade, 8 horas de sono, equilíbrio emocional e psicológico. Leva tempo, mas vale a pena.

Através de exercícios como dizer não, ouvir minha intuição e seguir minhas convicções, já não bebo há 1 ano e parei com o cigarro há 10 dias. Mas quero contar esta e outras histórias a medida que tiver tempo para tal, o que não é minha realidade no momento.

Good vibes, people!

 

 

Usando a rede social Hello

A nova rede social, criada pelo inventor do orkut é o que poderemos chamar doravante de “orkut 2” ou “orkut, a ressureição”. 

Anonimato – Pagando 50 moedas você pode curtir e comentar anonimamente

O design do App para iPhone (o único qu testei) é muito bem elaborado, cheio de cores e detalhes. 

Menu em forma de sanduíche é um quê a mais na ferramenta

Para se expressar na rede ao invés de “posts” você envia “jots” e para cada jot você pode escolher uma categoria que se encaixa. Nessa hora o brasileirocaga tudo e sai colocando todas as categorias, tornando a rede uma réplica confusa de tudo que já vemos nas demais redes. O perfil já traz além do nome, dia do nascimento e sua idade. 


Para se definir você escolhe as personas (interesses/categorias (5 no máximo). As personas são organizadas em ordem alfabética e os temas são bem variados. Para cada persona você responde um questionário cheio de perguntas que dão uma sensação de “wtf”, mas passa. Eu só consegui preencher uns 3 até agora e se a rede sobreviver, acho que consigo preencher os demais.


O sistema financeiro da Hello é composto por moedas que você pode comprar com dinheiro real, caso queira fazer extravagâncias ou simplesmente ter seus jots em alta diante dos “hellors” de sua rede. 

Sistema de niveis gamifica a rede e deixa a gente com vontade de evoluir

Até então você tem 40 níveis para alcançar, o que depende de sua interação com as postagens dos coleguinhas. 

em pouco tempo ja tem gente mendigando likes, seguidores e coments. coisa de brasileiro

O legal é que subcelebridades ficam mais acessíveis e se mostram realmente deprimentes, assim você consegue ver até onde as pessoa são capazes de ir por notoriedade digital. 

as personas na Hello garantem simplicidade nos temas, mas facilitam a puverização de idiotices

A diversidade de personas é detalhada e você percebe verdadeiro zêlo em fazer o conteúdo de cada uma delas. O design é completo e minuciosamente colorido. 

Enquanto escrevia esre post subi pro nivel 5 de 40 🙂

Uma das características que gostávamos no Orkut e que veio pra Hello, foi a possiblidade de saber quem visitou seu perfil. Adoro essa funcionalidade. 

À medida que for descobrindo coisas, vou criando na categoria Hello pra vocês acompanharem. 

Ah…baixe aqui

Hello World!

O planejamento de projetos no Brasil

Muitas empresas por onde passamos dizem que planejam seus projetos. Porém, quando olhamos de perto, notamos que, na realidade, poucas pessoas fazem de fato um planejamento completo e eficaz.

Foto: Living Well Spendingless

Entre As principais causas encontramos: a falta de conhecimento em como planejar, a quantidade de projetos em que os Gerentes de Projeto são alocados, a falta de cultura, a percepção de que planejamento é perda de tempo ou mera burocracia, dentre outras.

No exterior, em países em que as pessoas têm por hábito planejar projetos, tais como Alemanha, Japão, Estados Unidos e Inglaterra, o índice de sucesso quanto à conclusão dentro do prazo, do orçamento e de obtenção dos resultados desejados pela organização giram em torno de 80% (Standish Group, 2012). No Brasil, esse número dificilmente passa dos 20%.

Foto: Lean Construction

Estudos mostram que, quando o plano do projeto é escrito, as chances de sucesso aumentam em cerca de 60%, quando comparados aos resolvermos dos projetos em que o planejamento não é elaborado ( Quekuas e Barcui, 2008).

O percentual de dedicação no planejamento nesses países nos casos de sucesso é cerca de 20% a 25% de todo o projeto (Standish Group, 2012), ao passo que, no Brasil, há apenas 20 a 25 minutos de dedicação ao planejamento, é quase apenas mentalmente. Claro que os 20 a 25 minutos é uma brincadeira…ou não? A realidade, infelizmente, é que no Brasil se constata que a dedicação não é diferente disso. Afinal somos considerados mundo afora como o pop do “jeitinho”, do improviso, da proatividade, do jogo de cintura, da maleabilidade  e da criatividade. Sem entrarmos no mérito de julgamento de sermos piores ou melhores, mas será que para trabalhar com projetos, esse jeito de ser é o que nos traz os melhores resultados? Os países que citamos estão sempre “coincidentemente”, entre as principais economias do mundo. Portanto cabe aqui uma pergunta: quanto tempo é necessário para fazer um bom plano de projeto? E o que é necessário reunir para fazê-lo?

Imagem: Fertility Awareness

Muitos gerentes de projetos entram numa fria no começo do projeto. Recebem um proeiro com prazos curtos e pouco dinheiro – situação comum para quase todos que trabalham com projetos. Mas por que alguns executivos prometem o projeto para alguém em prazos e orçamentos tão ousados? Eles dizem que precisam entregar o projeto dentro de Gaia restrições, pois foram impostas pelo cliente ou pelo chefe do chefe; é que se não entregá-lo o Gerente de Proneto ficará numa situação complicada na empresa, podendo até ser mandado embora.

Enfim, normalmente, são as oportunidades do momento para o negócio.

Fonte: PM Visual – Robson Camargo

Mercado Público de Floripa – Clichês são necessários.

Toda capital tem um mercado público, que tem comidas típicas e, consequentemente, roupas, temperos e souvenirs. De praxe. 

Administração criativa é assim, vende espaço nas mesas e promove uma cerveja. Estão de parabéns.

Em uma galeria, não muito grande, mesas em formato e linguagem visual remetendo à cerveja do momento (que banca), na parte interna, restaurantes participam do Festival  da Tainha, com pratos diversos, contendo a iguaria e um sambinha rolando em um deles. 

Já na parte externa lojas de roupa e sapatos são maioria massacrante. Enquanto em alguns corredores podemos ter acesso a exposição de arte contemporânea e mais lojinhas “fofas”. 

Titulo: Público Alvo – Artista: Diego de Los Campos – Técnica: Arte Digital
Mais obras do artista aqui

Um passeio gratuito, com pequenos tesouros no caminho, cheiros, sons e expressões que só encontramos em Floripa. 

De rolê 🙂

Consegui comprar uma caneca e 100 gramas de amendoim a granel. 

Túnel que liga a parte sul da ilha ao centro. Hoje fez sol 🙂

Floripa, sua linda e saborosa. Dica gastronômica.

Books and beers – Barzinho charmoso com preços justos e menu delícia.

Viajar já é ótimo pelo simples motivo de nos tirar da rotina. Mas acertar o destino que caiba no bolso e no bom gosto é maravilhoso. 

Vim tirar alguns dias de descanso com a preta em Florianópolis, ilha da magia. O roteiro veio de dicas de amigos e, já no primeiro dia ne surpreendi com a primeira dica: Books And Beers, local que mescla literatura e gastronomia contemporânea, além de uma vista para o ancoradouro da Lagoa da Conceição. 

Cardápio carrega a temática.

Pra ficar ainda mais perfeito, o preço, em comparação com Brasília é bem maroto, mas nem tanto :). Porém vale muito a pena. 

Pra comer: Mini amburguer de Salmão e Picanha. 

Para beber, cervejas de vários países com preço de acordo com seu paladar.

Saúde!