Quem bem soubesse deveria procurar alguém para não transar! Um ensaio sobre monogamia, paixão e sexo, claro!


Pare um pouco para pensar em seu desenvolvimento, sua história e o percurso que trilhou até aqui. 
Fez? Claro que não, mas faça depois. Acho válido. 

Empirismo nosso de cada dia: 

Cresci em um país conhecido mundialmente pelo seu povo ‘caliente’, entre pessoas calientes, assisti filmes, séries e li livros ‘calientes’. Antes de uma história romântica, garotos de 14 anos não pensam pouco em sexo. Acordamos e dormimos com esse sentimento de que transar é o grande barato. 

Da estética:

Não importa se parece a Elza Soares ou a Beyoncê (duas negras queridas e belas, pra não dar treta), o orifício é a meta. 

Do tempo:

Chega o primeiro amor (eu chamaria de “Meteoro da Paixão” thanks Luan Santana.). Nos enche de vontade de viver para o outro, beber o outro, comer o outro, se fundir de maneira a não ser possível saber quem é quem. 

Normalmente nessa fase, no meu tempo, fugir de casa era o “ápice” do Meteoro. Hoje essa fase ocorre de várias maneiras. Plurais, subjetivas e, normalmente, trágicas, como tudo que é ‘pós-moderno’. 

Engatados tal qual um motohome, chegamos aos primeiros desafios, consequências dos excessos, vontade de ‘mais’, e um pouco mais. Até que esgota. Não era amor, poxa, pena. Alguns tomam todas (sic), outros comem todas as que aparecem pela frente e são comidos por outras e o pau quebra. 

Chega o próximo amor. Você já sabe o que não quer em alguém, mas ainda não está disposto a mudar para fazer dar certo. Quase ninguém quer. É tipo hábito de ser, sabe. Pessoas são. 

Mas nessa fase não se enxerga como passível de mudança. É o “eu sou”, em minúsculo mesmo. Quem quiser que se adapte. 

Começou a faltar sexo selvagem 7×7, vish. Tem outra, tem outro, ciúmes, loucura, cada um pira como pode e, novamente, o pau quebra. 
Essas histórias podem se repetir por toda a vida. Tem gente que nunca sai desse momento.  

Quem aprende um pouco, vai aos exemplos, começa a analisar e ver que existem pessoas que estão juntas há décadas, se amam e respeitam, tiveram problemas mil em todos os campos. Mas, no presente, podem dizer que ambos foram um presente para o outro. 

E o sexo? Quase todo dia. Quase na segunda, quase na terça…(espero que conheçam essa piada). 

Percebe-se também que amar é uma escolha que traz muitos benefícios, mas também requer compromissos com acordos, normas. E, traição será quebrar tais acordos. Já que são flexíveis e reordenados de acordo com a vivência que se tem do outro. Não é contrato, é o combinado. 

E o motivo de toda verborragia: 

Quando você olha pro seu companheiro, você se imagina vivendo com ele pra sempre sem transar? 

Não seria bom parar pra pensar que esse momento chegará, por motivos de ‘as pessoas envelhecem’ e se envelhecem juntas, tão logo tal virtude não se dará tão facilmente? 

Nota-se que a parceria consiste em tentar perceber o que o outro espera de você. E se você está disposto a dar aquilo, ou se você simplesmente não tem tal elemento. Cumprindo ao outro definir se esse elemento é essencial ou apenas um capricho.

Decreto incentiva recuperação de nascentes e matas ciliares no DF

Da Agência Brasília



Regras para os produtores que entraram no Cadastro Ambiental Rural permitem regularizar passivos ambientais

Regras complementares para o funcionamento do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental de Imóveis Rurais (PRA-DF) foram estabelecidas pelo Decreto nº 37.931, publicado em edição extra do Diário Oficial do Distrito Federal de 30 de dezembro de 2016. A norma também regulamenta, no âmbito do DF, o Código Florestal (Lei Federal nº 12.651, de 2012).

A iniciativa é das Secretarias do Meio Ambiente e da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-DF).

Além da obrigação legal, o decreto é uma forma de o governo incentivar a recuperação de nascentes e das matas ciliares, amenizando as mudanças no clima e protegendo a fauna e a flora. O PRA-DF define como os produtores rurais já cadastrados podem regularizar os passivos ambientais em suas terras.

O programa de regularização ambiental do DF inova, em relação a outras unidades federativas, ao criar prêmios para os produtores rurais que, além de produzirem alimentos, conservam os recursos naturais das terras onde plantam.

Ele determina, por exemplo, que o Programa de Aquisição da Produção da Agricultura (Papa-DF) pague um preço melhor pelo produto entregue por quem protege as matas ciliares. Pelo Papa-DF, o governo de Brasília compra diretamente de cada agricultor familiar até R$ 120 mil por ano.

O decreto garante ainda que haverá, para esses produtores, facilidades no processo de regularização fundiária. Outra medida prevista é usar os recursos da compensação florestal para apoiar os trabalhadores rurais que queiram recuperar suas matas ciliares ou reservas legais desmatadas antes de 2008. Com isso, pretende-se canalizar recursos para cuidar das áreas definidas como prioritárias à proteção da água, do solo e da biodiversidade.

Escravo da Alegria 

​​
E eu que andava nessa escuridãoDe repente foi me acontecer

Me roubou o sono e a solidão

Me mostrou o que eu temia ver

Sem pedir licença nem perdão

Veio louca pra me enlouquecer

Vou dormir querendo despertar

Pra depois de novo conviver

Com essa luz que veio me habitar

Com esse fogo que me faz arder

Me dá medo e vem me encorajar

Fatalmente me fará sofrer

Ando escravo da alegria

E hoje em dia, minha gente, isso não é normal

Se o amor é fantasia

Eu me encontro ultimamente em pleno carnaval

Noite das Donzelas 


Em 2017 pela sétima vez desfilaremos nosso charme pelas ruas da nossa Capital, e como sete é um ano cabalístico vamos fazer uma festa para esquentarmos os tamborins. Então no sábado 14/01 vamos tirar nossa purpurina do armário e brilhar na pista do espaço secreto, no som:

 – Dj Igor Fearn Igor Fearn

 – Renno Renato Luís

 – Bruno Antun (LAJE) 

 – Bernadete Campari Campari

 – Oficina e Bloco Eletrônico Patubate Oficina e Bloco Eletrônico Patubatê

 Performace da crew da Hands Up

 Shots de Catulove!

 Entrada até as 00:00 R$ 15,00

 Depois das 00:00 R$ 30,00

Fonte: Grupo Vidart no WhatsApp 

Joe Valle assume legislativa do DF com discurso animador

Joe Vale é tipo um estrategista da nova escola. Atual, engajado e sabe o que o povo quer, ou pelo menos não quer.
Manobra sobre ajuste de passagens em discurso de posse é deixar a porta entreaberta pra chegada à câmara federal. Assim como as pegadas quase “regufianas” (com menos demagogia, eu acho) que nos leva a ter a sensação de que pode vir a ter jeito essa coisa de política.

Pra nós, cidadãos e praticantes da boa e velha espera, ver homens públicos expondo vontade popular em momentos como este, realmente aproximam nossa expectativa da realidade e nos dão um fôlego pra começar bem o ano.

Que seja legítimo!
[ ],s

Primeiro dia de 2017 e dai?

Alguém me disse que 2017 será regido por Saturno, assim como os próximos 36 anos. Que este planeta lida com o papo reto e a integridade acima de tudo. Ou seja, em 2017 o bang vai ser doido. 

Pois então… 

Os anos que passaram me ensinaram algumas coisas sobre o ano novo e uma delas é que fecha-se sim, um ciclo. Mas não muda magicamente o quadro que estamos compondo em nossas vidas. A passagem de ano não funciona como a mudança de um gestor político, por exemplo. Os projetos iniciados ano passado e ou nos anos anteriores precisam receber um novo fôlego, ânimo e direções, de preferência sem baixas. 

Também aprendi que preciso esperar passar o carnaval para que o ano comece de verdade. Essa é a maior mentira. Os boletos permanecem chegando pontualmente e perder o time não é opção. Pelo menos se quer dormir em paz com sua consciência. 

Descobri que previsões astrológicas são infalíveis. Principalmente se você acreditar nelas. O mesmo serve para garrafadas, búzios e acupuntulra. Eu acredito em tudo isso. Mas se eu tiver a chance de conscientemente tomar as rédeas e desenhar meu próprio futuro, escolher a paleta de cores e o melhor momento para agir, é o que faço. 

Continuo achando que pra cantar a gente tem que ter dom, mas técnica também ajuda muito. Se você leu até aqui, pode me indicar uma boa escola de canto em Brasília? Quero muito aprender a cantar pelo menos no ritmo. Amo música e algo me diz que 2017 será bom pra aprender um pouco mais. 

É só o primeiro dia, mais desejos irão e virão. Escolhê-los e como vivê-los está em nossas mãos. Façamos nosso melhor! 

Ah…agora meio que tudo é daqui pra outros lugares! 

Bjons, 

Um mentor: Ruim com, pior sem!


No Brasil somos criados com a ideia de fazer 18 anos e ser “livre”. A ânsia por tomar álcool sem correr o risco de “dar ruim”, tirar carteira de motorista, entrar em show além matinê, enfim, fazer coisas que os adultos fazem. 

Por outro lado, quando chegamos na idade, nem sempre sabemos cultivar tal liberdade. Trazemos a criança que pegava os carrinhos e chocava uns contra os outros pra fazer o mesmo nas ruas, a cervejinha que antes era algo oculto em festas periódicas, vira a fuga de todas as horas, esconderijo perfeito pra triturar nossa Alma e incentivar a inconsciência se si. É quando nasce o cínico, despudorado e inconsequente. 

Essa alma sebosa não tem critérios, ninguém o detém por que se considera livre. Torna-se uma máquina de rebeldias desnecessárias e quando se repara, foge pra longe do que vê. E se esconde, na ânsia infantil Ainda de permanecer a salvo do que significa “ser”. 

Se dá sorte, encontra pelo menos 1 mentor, alguém com liberdade pra lhe dizer em amor e face a face como o vê. 

Se você conhecer um líder que não tem um líder, fuja. Adultos que se consideram independentes e donos de uma verdade podem estar vivendo uma grande mentira. 

Por fim, deixo meu respeito e admiração pelos mentores e líderes que tem me acompanhado durante minha trajetória. Obrigado pela coragem de me acordarem, mesmo quando foram necessários alguns tapas na cara. Sem vocês seria impossível chegar até aqui. Muito obrigado! 

Tony L. Draper 

#texticulous 

Ilustração: Los Carpinteros

Luck Cage  no Netflix, meu ponto de vista e minha nota. 

O último dia do ano foi embalado pelo último episódio do Pastelão heroico Marvel “Nefliquizado”, Luck Cage. 

Minha paciência com as brigas intermináveis e sem um vencedor certo quase nunca é quase nula. Para isso aceleramos e seguimos felizes vendo os desfechos clichê de cada episódio. 

Ter apenas uma temporada por hora ajuda muito, pois quando a segunda chegar, se chegar, a gente até já esqueceu o enredo anterior. 

A Netflix se consolidou como empresa que contrata seu próprio time de atores. Me lembra na época das novelas mexicanas, onde a gente ia a Thalia em tudo quanto era novela. Acho que ela fez umas 3 Marias. Mas isso fica Pr outro texto. Só toquei no assunto por ver um pessoal de outros seriados originais da empresa atuando em Luck Cage.

A quem interessar possa! Feliz ano novo. 

Nota da série: 6 

Simbora!

11 Resoluções básicas para 2017 pq sim

1 – Continuar sem me meter na vida alheia.

2 – Me meter na vida alheia quando convidado e remunerado por isso.

3 – Mastigar e saborear melhor os alimentos.

4 – Viver no presente o mais tempo possível.

5 – Criar menos expectativas com relação à espécie.

6 – Adquirir uma Wacom e ganhar 60% do meu sustento através dela.

7 – Visitar mais minha mãe.

8 – Praticar caminhada longa com amigos da 3ª idade e ali ouvir bons conselhos.

9 – Aulas de canto.

10 – Estudar mais e seriamente PNL.

11 – Lançar meu livro.

Por hora, seus bonito!

Tony L. Draper
#Newyaear #quotes

O que é essencial? por Paula Abreu

Aquela lista infinita de desejos não será capaz de trazer a felicidade se a gente não puder reconhecer, com gratidão, que já temos o suficiente.

Você abre seu computador, entra nas redes sociais e sente a pressão: a sociedade – e seus amigos no facebook – esperam que você seja mais feliz, mais saudável, mais esperto, rápido, popular, produtivo, invejado, rico, admirado.

O sorriso de todo mundo parece mais branco que o seu -, aliás, por que diabos está todo mundo sorrindo? Os amigos parecem estar em férias eternas. Na praia, na neve, bebendo uma cerveja artesanal num bar no meio do Nordeste…vem cá, eles não trabalham, não?

Todos estão sarados, suando no Crossfit, equilibrando-se numa postura de ioga que você precisa morrer e nascer três vezes para conseguir executar. Como eles podem ter esse corpo se toda hora você vê foto de comida japonesa, francesa, italiana, uma verdadeira volta ao mundo culinária passando na sua timeline?

E todos os conselhos de vida que você recebe estão na verdade o forçando a colocar o seu foco naquilo que ainda falta em sua vida. De certa forma, essa fixação apenas no que é positivo, – que você vê aos montes nas redes sociais – só serve para lembrá-lo do que você não é, do que não tem, do que deveria ter sido.

Coincidência ou não, esse discurso bate com os comerciais da TV, que querem convencê-lo de que para ser feliz é preciso ter um carro mais potente, um celular menor (opa, não, agora é maior!), um apartamento de luxo.

O que falta hoje não são carros, relacionamentos, equipamentos tecnológicos, joias ou dinheiro. O que falta é discernir o pouco que é essencial do muito que é apenas bom. Você pode acreditar que precisa de dinheiro, de um relacionamento amoroso bem-sucedido, da casa própria. Mas a verdade é que as suas necessidades são muito menores: água, comida e abrigo, e acredito que você já os tenha hoje. O Resto não são necessidades, mas vontades ou desejos. Não estou dizendo que eles são maus, eles podem até ser bons, mas são apenas bons. Na sua vida, hoje, o que é essencial e o que é apenas bom?

Quando você descobre o seu essencial e se dá conta de que ele está – e sempre esteve- sendo suprido pelo universo, você se conecta com a vibração da abundância. E, curiosamente, a partir daí você tem muito mais chances de realizar as suas vontades ou desejos. Dessa vez, sem perder a consciência de que eles não são essenciais para a sua felicidade. O autor Mark Manson diz que “o desejo por mais experiências positivas é em si mesmo uma experiência negativa. E, paradoxalmente, a aceitação da sua experiência negativa é em si mesma uma experiência positiva”.

A verdade é que, onde quer que você esteja na sua jornada, neste momento, a aceitação e a gratidão por tudo que lhe está sendo suprido é o maior passo que você pode dar na direção da almejada verdadeira felicidade.

Fonte: Revista Vida Simples – Novembro 2016

A Perifa – Seus encantos e perigos. Uma ode ao bom senso e ao respeito por nossas quebradas.

Cheguei em Brasília em fevereiro de 1990, faltando poucos dias para completar 10 anos. Vindo de uma cidade pequena do sertão nordestino (Nova Russas-CE), bem adaptado a apenas 2 refeições diárias e havaianas de cores diferentes, não por moda, entendedores entenderão.
 
Passei os dois primeiros anos morando em uma casa muito massa, no Lago Norte, onde minha mãe era doméstica e onde aprendi minha primeira profissão, lavador de carros.
 
Depois conheci algo mais parecido com o lugar de onde vim, com um toque a mais de violência, Brazilinha (ou Planaltina de Goiás), depois Planaltina/DF, Santo Antônio do Descoberto, Recanto das Emas e a maravilhosa Ceilândia. Ou seja, passei maior parte da vida na periferia do Distrito Federal. Ali não apenas sobrevivi, mas encontrei minha paixão, a cultura Hip-hop que, diferente do que muitos pensam, resgata pessoas do crime, interfere diretamente na evolução e mostra muito do que não encontramos nos livros. Sim tem o lado ruim, mas creiam, é minoria.
 
A rotina da perifa consiste em pontos de ônibus lotados já as 5 da manhã, coletivos cheios de profissionais chegando no horário aos centros pra servir com honra e dignidade.
 
A violência, o tráfico e a prostituição está longe de ser o que move nosso povo, assim como o modus operandi não é o crime, também não o é a calamidade, por mais que seja o motivo da mídia nos procurar.
 
Desde 2008 morando entre as asas, por uma questão de comodidade e logística, ainda ouço que pessoas das “satélites” são inferiores, incultas e/ou dadas a violência.
 
Um fato simples, pra fechar o textão, é que se tirar a perifa do miolo não tem mão de obra pra suprir a mordomia que movimenta as coberturas e mansões, muito menos o comércio, a construção, etc., ou seja, a capital para. Por isso, acho de bom tom o início do entendimento de algo simples, “a posição geográfica de um indivíduo não deve, em hipótese alguma, trazer prejulgamentos sobre índole, caráter e moral”.
 
Já que os bilhões que nos faltam nos cofres públicos não foram desviados por estes. Até onde sabemos, tais criminosos dificilmente aparecem na quebrada, a não ser pra pedir votos em tempo de eleição. Por outro lado são os maiores responsáveis pelas mazelas que afetam a população.
 
Sendo assim, antes de abrir a boca pra falar sobre periferia, convém uma reflexão sobre o quão diferente seria a situação nestes lugares se o poder concentrado nos palácios fosse utilizado em favor dessas pessoas.
 
Amém, sem mais por hora!
 
Tony L. Draper

Nosso Drops versão “restart again”

 

1 – Você já experimentou passar por situações difíceis sem se entorpecer, embriagar ou perder o controle? Vai por mim, é uma adrenalina diferente, boa mesmo.

2 – O mês de outubro tá “bombadão” no meu horóscopo. Se tudo sair como escrito, não voltará nenhum cheque até 2020.

3 – Depois de muito tempo admirando algumas pessoas. Vi que elas têm algo muito peculiar em comum: Planejam 10 anos à frente.

4 – A diferença entre “cego” e “ego”, é que o primeiro enxerga mais e melhor que o segundo.

5 – Não entendo muito bem o que está acontecendo no mundo. Às vezes acho que poderíamos dar uma pausa nessa corrida rumo a lugar nenhum e dar uma atenção ao que realmente importa: Nós, nossa raça e existência harmônica.

6 – Me preparando para o projeto mais ousado da minha vida. Deus nos ajude. #ods #onu

7 – A Anita cantou 3 musicas e ganhou o que eu levo um ano pra ganhar trabalhando 10h por dia. Tem que vê issaê.

8 – As vezes as coisas precisam piorar, para então melhorar. Exceto quando não há como piorar. Nesse caso, espere melhoras.

9 – Desarme-se. Ninguém está contra você. Talvez você mesmo. Então…baixe a guarda e se aceite. #hs

10 – “Nosso pensamento nos dirige pra vida que queremos ter” Haroldo Dutra Dias.

Tony L. Draper e HS
#nossodrops

Nosso Drops versão insônia dos nobres

 

1 – Já matei 35 pernilongos esta noite. A quem interessar possa.

2 – Apaixonado pelos diários de Andy Warhol. #books

3 – Não sei o quanto é possível fazer para ser feliz. Mas sei que estar triste é parte do processo.

Uma vez fiquei tão triste que passei três dias trancado em casa. Hoje já consigo estar extremamente triste enquanto desenvolvo as tarefas que mantém minha subsistência.

Massa é quando passa a tristeza. Toda folha de árvore ganha um verde especial, o vento na cara do início de novembro ganha um ar europeu. Chamamos os que deram o aconchego pra um chá.

Enfim, setembro e outubro costumam ser meses bem melancólicos e carregados de situações bem desagradáveis. Mas sempre passa em novembro. Ufa! #vidareal

4 – Estou aprendendo um novo modelo estratégico para alcance de resultados. Quando estiver no ponto vou rodar os #ods da #onu nele. Ansioso.

5 – Estou colecionando cada história maneira de superação que às vezes acho que vou ser best-seller de autoajuda. Sem nenhum preconceito.#writerdream

6 – Acho que sou um dos poucos evangélicos que se tornou espírita.#religion

7 – A sociedade é muito doida. Às vezes dá um nó na cabeça. Parece que fazem de sacanagem. Eu acho que nunca vou me acostumar com a miséria, violência e desespero que a rua estampa. #underground

8 – Quanto tempo é preciso pra curar um trauma?

9 – Tenho um amigo de 50 anos que está se reconstruindo. No auge dos meus 36, graças a ele (o exemplo deste amigo), estou acreditando nisso pra minha vida também. Vejo Deus nisso.

10 – Passe o difícil no silêncio, a alegria na contemplação e as consequências de seus atos com determinação de tornar-se melhor. #hs

#nossodrops

Nosso Drops versão segundona da ralação

1 – Laerte Bessa chamou o governador de maconheiro. E eu fiquei rindo disso desde a hora que soube. Afinal, todos sabemos que Rolemberg não fuma, ou melhor, fuma mas não traga.

2 – O mundo do rap no DF tá meio estremecido. Deus nos ajude, pq rap é muito bom pra ficar ruim. Positividade aí, família.

3 – O Malafaia anda meio sumido neam?

4 – A Felicidade tem mais a ver com acreditar no amanhã do que eu pensava. Esperança muda tudo.

5 – Nunca desliguei o telefone pra não atender um cobrador. Pretendo passar o resto da vida assim. Quem me conhece sabe.

6 – O mais perto que se pode chegar da perfeição é conseguir assumir a imperfeição que em si habita. Antes mesmo de reconhecê-la no outro. Tipo se enxergar, saca?

7 – Assimilar, eis uma palavra interessante.

8 – Se eu pudesse voltar no tempo?
Frequentaria mais fliperamas.

9 – Ter fé é massa demais. Acho uma das coisas mais fodas da raça humana. O rito, o modo/ou modos, Deus, os demônios, anjos, guias. Que diversidade de transcendências. Por mim as religiões todas era uma.

E os fiéis, evangelizando, outros exortando, enquanto outros impõem suas regras. O bagulho é doido. Culpa vira rotina, de joelho geral, bora que Deus tá chateado.

10 – Volta É o Tchan!

Tony L. Draper
#nossodrops

Nosso Drops versão “evoluindo enquanto tento ficar inteiro” (parafraseandoConrado Vieira)

1 – Um dia você vai ser cagado da cabeça aos pés. Baixará a cabeça e, por incrível que pareça, sobreviverá.

2 – Usando e abusando da reza de mainha. Se tudo der certo, vamos de classe econômica, mas vamos.

3 – Com tanta notícia triste no mundo, ainda encontramos aqueles que têm as palavras de otimismo. Acreditar é fundamental.

4 – Vou escrever um livro com o título: A arte de aceitar as coisas como elas são!

5 – O mundo não aceita muito bem essa coisa de “encarar seus medos”. Quando um em mil encara, nego pira. Faz parte do treino.

6 – O Cunha, pois é. O que dizer desse rapaz? Será que vai pra delação premiada? Seria bom neam?

7 – A Chuva chegou de um jeito estranho. Deus ajude nosso povo.

8 – Meu primeiro desejo depois que pagar todas as minhas dívidas: Curso de sabonetes aromáticos.

9 – Um CD de Rap. Vo gravar. 🙂

10 – Alegria que vem da justiça trás a boa insônia. Parabéns, estamos orgulhosos. #hs

Carandiru Foi Massacre 

A violência coletiva e autoritária na história: 
Mesmo em menor escala, o Massacre do Carandiru é pro Brasil, o que o Holocausto foi para a Alemanha na Segunda Guerra Mundial.
Foi tipo injusto, saca?
Pra que pena de morte, meu povo? Ela já existe e atua por todas as vielas, contextos e prisões. Matar ainda é visto como solução e matar muitos, por um lado é motivo para descanso, condecorações e honras mil. 
Sei que o clima era tenso e pá. Mas partir pra cima de pessoas armadas com pedaços de madeira e estiletes artesanais com um verdadeiro arsenal, ficou feio. No mínimo desigual. Algo triste de se pensar. 
O mote político e as coincidências: 
Segundo matéria do Catraca Livre, 5 dias depois do massacre/chacina do Carandiru, Temer foi nomeado Secretário de Segurança e sugeriu “repouso, meditação e tratamento psicológico para os policiais”. 
A ONU, pelo menos, trata o episódio como um dos mais fora da casinha dos direitos humanos. 
De forma mágica, foi dado agora, terça passada, como legítima defesa. 
Coincidência ou não, o Temer é presidente da república e 73 policiais indicados como autores diretos dos assassinatos e adjacências, livres. 
Meu apelo particular:
Oremos! 
Tony L. Draper 

Tinder lança novo recurso para colocar usuário ‘na frente da fila’ ;-)

Quem usa o Tinder e vive em grandes centros sabe que a oferta é grande e, por isso, seu perfil pode nao ser visto por muita gente. Pensando nisso, o aplicativo de relacionamentos lançou um recurso chamado ‘Boost’ – mediante pagamento, o usuário vai pular para a frente da fila e terá seu perfil no topo por 30 minutos. Ainda nao se sabe, no entanto, quanto o usuário precisará pagar para ganhar esse empurraozinho. Depois do ‘Boost’, será possível visualizar quantas pessoas a mais foram alcançadas. Além disso, todos os ‘matches’ feitos durante o período serao marcados com um raio de cor roxa. O recurso está sendo testado na Austrália e em breve deve ser liberado para o resto do mundo. Enquanto isso, o The Next Web levanta algumas dúvidas pertinentes – “o que acontece se várias pessoas usam o ‘Boost’ ao mesmo tempo em um lugar movimentado como Nova Iorque? Quando a frente da fila fica cheia, seu ‘Boost’ terá o efeito anunciado? Os perfis que nao sao impulsionados ficarao ainda menos visíveis?”. É esperar – e pagar – pra ver.

 

Via: BlueBus